http://www.wasteexpo.com.br/news.html#news124

" />

Aumento do emprego no setor de reciclagem é esperado com investimento de AU$ 600 milhões e a proibiç

Espera-se que até 10.000 novos empregos sejam criados na indústria da reciclagem de com investimentos de AU$ 600 milhões do governo e da indústria.

 

O novo financiamento aumentará a capacidade de processamento da Austrália antes do prazo estabelecido pelo Conselho dos Governos Australianos, que concordou no final de 2019 em proibir as exportações de resíduos não processados até 2024.

 

O governo federal contribuirá com AU$ 190 milhões em um fundo que deverá atrair mais de AU$ 600 milhões no total - com outros AU$ 190 milhões programados para vir dos governos estaduais e cerca de AU$ 200 milhões da indústria de reciclagem.

O investimento será direcionado para a nova infraestrutura para classificar, processar e reutilizar materiais.

 

A ministra Australiana do Meio Ambiente, Sussan Ley, disse que a iniciativa geraria até 10.000 empregos na construção de plantas de processamento de resíduos e na contratação das equipes necessárias para operá-las.

 

"Quando deixarmos de enviar nossos resíduos para o exterior, a reciclagem feita no país remodelará nossa indústria de resíduos doméstica, impulsionando a criação de empregos e devolvendo materiais valiosos à economia".

 

Os australianos geram cerca de 67 milhões de toneladas de resíduos por ano, e, entre 2018-19, 4,4 milhões de toneladas desse resíduo foram exportadas, incluindo 1,4 milhão de toneladas de plástico, papel, vidro e pneus no valor de cerca de AU$ 290 milhões.

 

No entanto, em 2018, a China, o principal destino de exportação da Austrália para reciclagem de resíduos, anunciou uma grande repressão ao seu volume de importações de resíduos. Várias nações importadoras importantes estão seguindo a publicação Chinesa, como Índia, Taiwan, Malásia e Tailândia, anunciando ou prenunciando restrições semelhantes.

 

Atualmente, a Austrália recicla 12% de seus plásticos e o restante é enviado para aterros sanitários.

 

O executivo-chefe da empresa de reciclagem de plástico e aço Pact Group, Sanjay Dayal, disse que o novo investimento irá com certeza gerar novos empregos. "Para cada 10.000 toneladas de aterro sanitário, há três pessoas envolvidas no processamento, mas se você converter este resíduo para o processo de reciclagem, terá 10 empregos", disse Dayal.

 

O coronavírus atrasou o lançamento das proibições, mas o Pact Group, que tem instalações em todo o país, ainda planeja investir AU$ 120 milhões para expandir seus negócios, incluindo uma planta de AU$ 40 milhões em Melbourne.

 

 

Mike Foley

The Sydney Morning Herald

© 2018. Dionísio Recicláveis por Osmium.